Mangueira conquista 20º título no Carnaval do Rio de Janeiro

A escola de samba prestou homenagem aos heróis ausentes nos livros de história, destacando a figura dos negros, indígenas e pobres.

Mangueira conquista 20º título no Carnaval do Rio de Janeiro

A Mangueira levou nesta quarta-feira (6), seu título 20º no Carnaval de Rio de Janeiro, depois de participar do tradicional desfile de Carnaval, realizado no Sambódromo da Marquês de Sapucaí.

Durante o desfile, a escola de samba “verde e rosa”, como também é conhecida, fez uma homenagem a vereadora Marielle Franco, assassinada após receber vários tiros em março de 2018. Até hoje a Justiça brasileira não esclareceu circunstâncias do crime ou conseguiu encontrar os responsáveis.

Durante a participação no evento, os membros da Mangueira levantaram bandeiras com a cara da vereadora diante de milhares de espectadores, o que gerou fortes aplausos e lágrimas entre o público.

A escola também homenageou os heróis populares que não foram reconhecidos ou que estão ausentes dos livros de história da nação sul-americana, destacando a figura dos negros, indígenas e pobres.

O júri do carnaval concedeu a maior pontuação para a Mangueira, seguida da Viradouro, Vila Isabel e Portela.

Confira o samba-enredo que fez da Mangueira, a campeã do Carnaval carioca de 2019:

Enredo: História pra Ninar Gente Grande

Mangueira, tira a poeira dos porões

Ô, abre alas pros teus heróis de barracões

Dos Brasis que se faz um país de Lecis, jamelões

São verde e rosa, as multidões

Mangueira, tira a poeira dos porões

Ô, abre alas pros teus heróis de barracões

Dos Brasis que se faz um país de Lecis, jamelões

São verde e rosa, as multidões

Brasil, meu nego

Deixa eu te contar

A história que a história não conta

O avesso do mesmo lugar

Na luta é que a gente se encontra

Brasil, meu dengo

A Mangueira chegou

Com versos que o livro apagou

Desde 1500 tem mais invasão do que descobrimento

Tem sangue retinto pisado

Atrás do herói emoldurado

Mulheres, tamoios, mulatos

Eu quero um país que não está no retrato

Brasil, o teu nome é Dandara

E a tua cara é de cariri

Não veio do céu

Nem das mãos de Isabel

A liberdade é um dragão no mar de Aracati

Salve os caboclos de julho

Quem foi de aço nos anos de chumbo

Brasil, chegou a vez

De ouvir as Marias, Mahins, Marielles, malês.

Deixe seu comentário